Quarta, 20 de Outubro de 2021 17:26
82 9996921076
Dólar comercial R$ 5,56 -0.437%
Euro R$ 6,49 -0.257%
Peso Argentino R$ 0,06 -0.272%
Bitcoin R$ 391.233,22 +3.895%
Bovespa 111.048,03 pontos +0.34%
Política Eleições 2022

Federação partidária pode mudar tudo na eleição de 2022 em Alagoas

Federação partidária pode mudar tudo na eleição de 2022 em Alagoas

28/09/2021 10h38
Por: Roberto Gonçalves Fonte: Blogdo Edivaldo Júnior
Federação partidária pode mudar tudo na eleição de 2022 em Alagoas

 

As regras mudaram mais uma vez. E podem ter forte impacto em Alagoas. As eleições de 2022 serão diferentes de qualquer outra que já se viu na história do Brasil. Pela primeira vez, teremos as “Federações Partidárias”. A nova legislação permite a união de dois ou mais partidos, que passam a atuar como se fossem um só em todo o país por quatro anos.

Outra mudança importante, ainda a ser confirmada, é a eleição proporcional pelas sobras, dentro da regra 80% x 20%.

Para eleger um deputado federal ou estadual, o partido precisa atingir no mínimo 80% e o candidato no mínimo 20% do quociente eleitoral. Na prática, um federal seria eleito com 32 mil votos, desde que seu partido tivesse 130 mil votos – isso para um quociente estimado em 160 mil votos.

A mudança não deve afetar grandes partidos, a exemplo de PT , PSD, PL ou MDB, mas permite a sobrevivência de legendas menores, ameaçadas pela cláusula de barreiras. É o caso do PCdoB, Rede, PSOL e PV.

Existe ainda a forte possibilidade de fusão ou mesmo de união em federação de partidos que tem grande peso na política de Alagoas, a exemplo do DEM, PSB e PDT.

E como isso pode afetar a eleição em Alagoas? Tudo indica que partidos menores, a exemplo do PCdoB, vão recorrer a federação partidária. Uma união com PV ou PSOl não mudaria o rumo das eleições em Alagoas.

Mas o que dizer do PSB ou PDT? Esses partidos podem aderir a federações, tirando a possibilidade de alianças locais. Se isso acontecer com o PSB, por exemplo, pode tirar as margens de negociação de um dos nomes mais fortes para o governo de Alagoas em 2022 – o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas.

Mesmo que não seja candidato, JHC também pode ficar impedido de fechar alianças, por exemplo, com o PSDB, partido do seu principal aliado, Rodrigo Cunha. Idem para Ronaldo Lessa e seu PDT, que vai de Ciro no plano nacional e terá dificuldades de subir no mesmo palanque do candidato a presidente do PSDB em Alagoas.

Já o presidente da Assembleia Legislativa deve comandar o maior partido do Brasil em Alagoas, fruto da provável fusão entre PSL e DEM. Os dois partidos hoje estão sob a influência de Marcelo Victor (SDD). E tudo indica que assumirá formalmente o comando das legendas a partir de abril do próximo ano.

Novo cenário


O rearranjo partidário no Brasil pode e deve mudar os rumos da política em Alagoas. Dirigentes locais vão ficar à mercê nas próximas semanas dos dirigentes nacionais de seus partidos. A formação de federações ou fusões partidárias não depende de ninguém por aqui – ou quase. Alguns líderes locais, a exemplo de Arthur Lira e Renan Calheiros, tem grande influência nacional e podem “mexer as pedras” influenciando diretamente a política brasileira, mas de olho na alagoana.

A derrubada do veto


O Congresso Nacional derrubou nessa segunda-feira (27) o veto integral do presidente Jair Bolsonaro à proposta que permite partidos políticos se organizarem em uma federação, pelo tempo mínimo de quatro anos.

A derrubada do veto, segundo vários analistas, dá sobrevida às siglas pequenas, que corriam o risco de serem extintas.

O veto foi rejeitado, primeiramente, pelo Senado, por 45 votos a 25. Na sequência, na Câmara, o veto foi derrubado por 353 votos a 110. Com a decisão dos congressistas, o projeto vai à promulgação e a federação valerá para as próximas eleições.

A proposta é uma bandeira dos partidos menores, como Rede e PCdoB, que temem não alcançar a chamada “cláusula de barreira”, criada para extinguir legendas que não tenham um desempenho mínimo a cada eleição. Com a mudança, o desempenho seria calculado para a federação como um todo, e não para cada partido individualmente.

A federação de partidos, pelo texto aprovado no Congresso, permite a união de siglas com afinidade ideológica e programática, sem que seja necessário fundir os diretórios.

A união deve durar, pelo menos, quatro anos. O partido que se desligar antes desse período perde, por exemplo, o acesso ao fundo partidário.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (21/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Sexta (22/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias